sábado, 5 de setembro de 2009

O Rei Adandozan

Símbolo Real de Adandozan.

“ADANDOZAN”
Origem: Wikipédia (En);
Comentários em trechos: PAPOINFORMAL.

Adandozan foi um rei do Daomé (hoje Benin), tecnicamente o nono, embora ele não seja contado como um dos doze reis. Seu nome tem sido amplamente apagado da história de Abomey (a capital do Daomé) e esse nome, geralmente não é falado em voz alta na cidade. Ele se tornou rei, quando, em 1797, o rei anterior de Daomé, Agonglo, morreu, deixando o trono ao seu filho mais velho.

(Versões apontam que o finado rei pai de Adandozan, Agonglo, queria Gakpe, o filho mais novo e meio-irmão de Adandozan, no poder e que ele ficasse apenas como tutor devido a menoridade de Gakpe. Geralmente o herdeiro de um rei é o filho mais velho, neste caso seria mesmo Adandozan o herdeiro legítimo, mas existem outras versões, e algumas alegam a orientação pela prática advinhatória do bokonon para que o rei considerasse desta forma.)

O símbolo de Adandozan era um babuíno com uma barriga inchada, a boca cheia e uma espiga de milho na mão (uma referência que não faz jus ao seu inimigo, o rei de Oyo), e um grande guarda-sol ('o rei ofusca seus inimigos'). Estes símbolos não estão incluídos nos apliques de Abomey, pelas mesmas razões que Adandozan não está incluído na história de Abomey.

As histórias tradicionais sobre Adandozan (que são recontadas, com algumas mudanças de nomes, no romance de Bruce Chatwin's: O Vice-Rei de Ouidah) retratam-no como extremamente cruel, “ele disse ter levantado hienas para jogar sujeitos vivos por diversão; ele é retratado cortando o abdômen de uma mulher grávida em uma aposta para ver se poderia prever o sexo do feto.”

Adandozan é retratado como um guerreiro incompetente em geral, e como um traidor da família real: Ele disse ter vendido seu irmão, Gakpe (também conhecido como Ghezo), e a mãe à escravidão. Gakpe, que já havia fingido idiotice para evitar atrair a atenção de seu irmão, fugiu para o exílio perto de Kana. Adandozan é retratado como irremediavelmente louco, esforçando-se loucamente com as potências europeias. Ele se recusou a pagar Francisco Félix de Souza, um comerciante brasileiro que se tornou um grande negociante no mercado de escravos em Ouidah, por serviços prestados, e de Souza foi preso e torturado, em seguida tentou com seus próprios ministros vender os escravos diretamente.

Na história tradicional, Gakpe, secretamente volta do exílio, e ajuda de Souza a escapar. Em contrapartida, de Souza ajudou Gakpe com uma força militar para tomar o trono com o apoio do amedontrado Conselho de Ministros. Gakpe, em seguida, coloca Adandozan na prisão.

(Obviamente o poderio militar do qual de Souza dispunha para ajudar no destrono de Adandozan era o que o apoiava na empreitada do tráfico de escravos.)

Este retrato tradicional pode estar errado: Como Richard II da Inglaterra na Guerra das Rosas, Adandozan pode ter sido objeto de uma propaganda reescrita da história depois que ele perdeu o trono, foi transformado em um monstro pelo seu sucessor como uma forma de desculpa ao golpe de estado e de se legitimar o novo regime. Todas as histórias concordam que Adandozan tentou forçar condições mais favoráveis de comércio com os europeus envolvidos na exportação de escravos, e seriamente minou o poder da família real e de praticantes do Culto Vodún em tribunal por meio de reformas administrativas.

(Provavelmente a família real tenha usado fortes propostas que eram antagônicas ao reinado de Adandozan em conjunto com os seguidores do culto vodún, como o fim do comércio de escravos e/ou a boa relação com o rei de Öyö, e consequentemente conquistando uma parcela muito significativa da população, observando-se que o vodún era praticamente o único fator congregante da época. Por isso Adandozan tenha resolvido vender seus conspiradores como escravos, incluindo a madrasta Agontime e alguns sacerdotes, acabando com o culto de Sakpata de origem Mahi, aliados de Öyö, no Dahomey, que só retorna depois no reinado de Ghezo, que manda vir de Savalou um novo sacerdote.)

Pode ser que essas políticas tenham provocado oponentes poderosos à Adandozan para apoiar um golpe contra ele. Para justificar o golpe, Gakpe pode ter obrigado os seus griots (historiadores orais) a falarem de um Adandozan monstruoso e louco.

(A forma de registro oral é tradicional para guardar a memória de um povo, principalmente nas sociedades onde não é desenvolvida a forma escrita. Pelo “recitar” e o “cantar”, principalmente, é muito mais fácil de ser resguardada esta memória e repassada para as gerações futuras, também é o que se faz nas saudações, rezas e cânticos religiosos dentro do Culto Vodún.)

4 comentários:

africa em nos disse...

Olá Equipe de Papo Informal, boa tarde!


Somos a Assessoria de imprensa digital da campanha fotográfica África em Nós, criada pela Secretaria da Cultura de São Paulo, com a curadoria do fotógrafo Walter Firmo.

Estamos entrando em contato, pois seu blog foi altamente recomendado pela nossa equipe. Ficaremos grato ao retornar este e-mail para nós africaemnosoficial@gmail.com

Desde já, os nossos agradecimentos.



Assessoria África em Nós | http://www.africaemnos.com.br

Ifabimi disse...

Olá!
Nosso blog, que é fruto de um trabalho em conjunto, fica muito honrado com a recomendação. Transmito a todos o nosso agradecimento. Ifabimi.

Diego Siqueira disse...

Parabens pelas postagens! Otimo blog cada vz me encanta mais essa cultura!

Ifabimi disse...

:)